Albert Einstein (Em breve)

O legado de um dos maiores gênios da Física moderna.

O Sol é nosso amigo? (Em breve)

Nem tanto, confira essa curiosidade sobre o astro rei.

Isaac Newton (Em breve)

O homem que desvendou os mistérios do céu.

Cinemática: O estudo dos movimentos

Curte velocidade, espaço e tempo? Conheça a Cinemática!

30 de junho de 2015

Por onde eu devo começar a estudar a Física?



Todas as áreas do conhecimento têm uma parte básica, o princípio da coisa e com a física não é diferente. Sei, tá pensando que engana quem? Eu tenho/tinha pavor dessa disciplina no ensino médio.

O nosso blog está na verdade estará organizado de tal maneira que o aluno possa seguir o conteúdo de forma sequencial, sem deixar de aprender, por exemplo, cinemática antes de aprender dinâmica, etc. Esses termos podem soar de maneira estranha num primeiro momento, principalmente para os que estão há dias, semanas, meses, anos, décadas, séculos, milênios, ok, parei sem estudar física, em breve eles ficarão muito claros.

Observem o nosso menu atual: 

 
Menu em 26/01/2016

Por enquanto temos apenas o conteúdo (aulas) “introdução à física” disponível, ao passar o mouse sobre ele uma lista relacionada ao tema se abrirá. À medida que as aulas forem postadas, o nosso menu receberá uma nova opção com o assunto a ser estudado. Iniciaremos pela introdução à física, como já dito anteriormente, partiremos do princípio. Prontos? Então vamos lá!

Lembrem-se, o blog é nosso! Qualquer dúvida, comentem, eu irei responder o mais breve possível.

Um grande abraço e não se esqueçam: juntos somos fortes! Ponto de Equilíbrio




5 de junho de 2015

Operações com potências de base 10



       Hoje falaremos sobre as operações com potência de base 10, você sabe o que é isso? Não? Então vamos aprender!

Na Física, muitos cálculos podem parecer extremamente complicados, mas quando utilizamos os conceitos de potenciação ou exponenciação tudo se torna mais simples e fácil, na aula de hoje aprenderemos as quatro operações básicas com as potências de base dez, sim, são elas mesmas: multiplicação, divisão, adição e subtração.

Multiplicação:

1º Caso: os dois expoentes são positivos;

Regra: Multiplica-se o número pelo número, mantém-se a base e soma-se os expoentes, neste caso o número é o 3, a base é 10 e o expoente é 6, portanto: 

2º Caso: um dos expoentes é negativo;

Regra: Multiplica-se o número pelo número, mantém-se a base e soma-se os expoentes, neste caso o número é o 5, a base é 10 e os expoentes são (-2) e 3, portanto:

3º Caso: os dois expoentes são negativos;

Regra: Multiplica-se o número pelo número, mantém-se a base e soma-se os expoentes, neste caso o número é o 2, a base é 10 e os expoentes são (-3) e (-2), portanto:

Observe que na multiplicação a regra é sempre a mesma.

Divisão:

1º Caso: os dois expoentes são positivos;

Regra: Divide-se o número pelo número, mantém-se a base e subtrai-se os expoentes, neste caso os números são 4 e 2, a base é 10 e o expoente é 6, portanto:

2º Caso: um dos expoentes é negativo;

Regra: Divide-se o número pelo número, mantém-se a base e subtrai-se os expoentes, neste caso o número é o 5, a base é 10 e os expoentes são (-2) e 3, portanto:

3º Caso: os dois expoentes são negativos;

Regra: Divide-se o número pelo número, mantém-se a base e subtrai-se os expoentes, neste caso o número é o 2, a base é 10 e os expoentes são (-3) e (-2), portanto:

Observe que, como na multiplicação, na divisão a regra é sempre a mesma, tenha sempre muita atenção na operação com os sinais (+) e (-). 

Adição:

1º Caso: os expoentes das potências são iguais;

      Regra:
 Soma-se o número com o número e mantém-se a potência, portanto:

2º Caso: os expoentes das potências são diferentes;

Regra: Primeiramente devemos ajustar um dos números para que os expoentes fiquem iguais, se você não se lembra de como fazer isso, clique aqui e veja, depois basta aplicar a regra do 1º caso: 

Subtração:

1º Caso: os expoentes das potências são iguais;

Regra: Subtrai-se o número do número e mantém-se a potência:

2º Caso: os expoentes das potências são diferentes;

Regra: Primeiramente devemos ajustar um dos números para que os expoentes fiquem iguais, se você não se lembra de como fazer isso, clique aqui e veja, depois basta aplicar a regra do 1º caso: 

     Resumindo, na adição e na subtração a regra é a mesma, o que muda é o cálculo algébrico, na adição adicionamos ah vá? e na subtração, adivinha? Exatamente! Subtraímos! Cê ta me tirando né autor? Sim!  Até a próxima!

                       << Aula anterior                                  Próxima aula (em breve) >>




2 de junho de 2015

Notação científica e ordem de grandeza



Notação científica

      As grandezas físicas variam numa ampla faixa de valores, desde alguns muito pequenos, como por exemplo, o diâmetro de um átomo que tem cerca de 0,000 000 000 000 001 m, até outros absurdamente grandes, como por exemplo, a massa da Terra que é de aproximadamente 5.980.000.000.000.000.000.000.000 kg. 
Nosso cérebro está adaptado aos números do cotidiano, ao vermos números com tantos algarismos nós levamos algum tempo para criar um raciocínio sobre determinado número bugamos, por conta disso foi criada a notação científica, que é uma forma simplificada de representar esses valores absurdamente grandes ou pequenos.

Nos exemplos anteriores, poderíamos representar a massa da Terra pore o diâmetro do próton por.

Esse tipo de representação é denominado notação científica.

Quando usamos a notação científica para representar um número N qualquer, devemos escrevê-lo na forma:ondee n é um número inteiro.

 Assim, o número 574, por exemplo, deve ser escrito da seguinte maneira:.

No caso de um número extremamente pequeno, por exemplo, 0,000 000 000 12, deveremos deslocar a vírgula para a direita, até que o número que multiplica a potência de base 10 seja maior ou igual a 1 e menor que 10, portanto:.

A regra é a seguinte: se a vírgula é deslocada para a esquerda, a cada casa deslocada acrescentamos uma unidade no expoente da potência de base 10.

Analogamente: se a vírgula é deslocada para a direita, a cada casa deslocada subtraímos uma unidade do expoente da potência de base 10.

Observe que o número que multiplica a potência de base 10 deve ser um número inteiro, maior ou igual a 1 e menor que 10.

Observe também que a grande vantagem do uso da notação científica é facilitar a realização das operações de multiplicação e de divisão entre diferentes medidas aplicando as propriedades matemáticas da potenciação.

Ordem de grandeza

Imagine uma viagem de carro entre duas cidades distantes 300 km. Fazendo uma estimativa grosseira, quantas voltas você acha que o pneu do carro daria nessa viagem?

Na maioria dos casos, utilizamos estimativas grosseiras, porém razoáveis, de uma grandeza física. Em outros casos precisamos fazer apenas um cálculo rápido para chegar a uma estimativa de um resultado que seria complexo de se chegar.

Seja qual for o valor de N, podemos escrever:

Para determinar a ordem de grandeza de um número N, devemos, inicialmente, escrevê-lo em notação científica:, com, isto é,.

Em seguida, devemos comparar o valor de m com o ponto médio do intervalo dea, ou seja, temos de comparar m com.

Seguindo essa comparação, temos o seguinte:

Se, então a ordem de grandeza de N é;

Se, então a ordem de grandeza de N é.

Exemplo:

Vamos estimar a ordem de grandeza do Burj Khalifa, o maior edifício* (já concluído) da atualidade, sabemos que ele tem uma altura de 828 metros, vamos representar esse valor em ordem de grandeza.

Primeiramente, devemos escrever o número estimado em notação científica:;

Note que, então a nossa ordem de grandeza terá uma unidade acrescentada na potência de base 10, ou seja,, portanto temos:;

Logo a ordem de grandeza do Burj Khalifa é: O.G. =.

                         << Aula anterior                                   Próxima aula >>

*Um edifício em fase de construção na China, chamado Cidade do Céu já é considerado o edifício mais alto do mundo, ele terá 10 metros a mais que o Burj Khalifa, ou seja, 838 metros.


31 de maio de 2015

O Sistema Internacional de Unidades



      Há alguns anos e põe anos nisso, realizar medidas não era uma tarefa fácil, isso ocorria porque não havia um padrão a ser utilizado como base, por exemplo, uma medida de massa que equivalia a 1,0 kg em um determinado país, em outro país poderia equivaler a 1,5 kg, as unidades de comprimento eram quase sempre derivadas das partes do corpo do rei de cada país (pés, jardas, polegadas) e isso causava grandes dificuldades para as pessoas, principalmente no comércio porque o pé do rei da Inglaterra era gigante comparado ao pé do rei da Espanha, não sei se era mesmo, utilizei como exemplo.

Tal dificuldade tornou necessária a criação de um padrão universal e isso ocorreu na França, por volta de 22 de junho de 1799, esse sistema recebeu o nome "Sistema Internacional de Unidades" e é representado pela sigla "SI". Mais tarde, 95% dos Países adotaram o mesmo sistema, os Estados Unidos foi um dos poucos países que não o adotaram.

O Brasil, através do Decreto Legislativo nº 57, de 27 de junho de 1953, adotou o sistema.

O SI estabelece sete unidades fundamentais, cada uma das quais corresponde a uma grandeza física.

A partir dessas unidades fundamentais, pode-se determinar a unidade de medida das demais grandezas físicas, denominadas grandezas derivadas, que veremos mais adiante.


A tabela 1 apresenta as grandezas físicas fundamentais do Sistema Internacional de Unidades com a correspondente unidade de medida e seu símbolo.

Tabela 1.

As grandezas físicas podem variar numa ampla faixa de valores, desde alguns muito pequenos até outros absurdamente grandes.

Visando facilitar a expressão desses valores, o SI usa os múltiplos e submúltiplos decimais de suas unidades de medidas com o acréscimo de prefixos, correspondentes a potências de 10, ou seja, 10n, com n inteiro.


A tabela 2 apresenta os principais prefixos do SI mais utilizados em Física.
Tabela 2.

Observe que o prefixo "quilo" (103) tem por símbolo o k (minúsculo); o K (maiúsculo) é reservado ao kelvin, unidade de medida da escala de temperatura.

<< Aula anterior                                                        Próxima aula >>                      

Aqui, você pode baixar o manual do SI utilizado no Brasil com patente do INMETRO: Download manual do SI




28 de maio de 2015

O que é a Física?



     Desde a era mais remota desde que o mundo é mundo, o ser humano preocupa-se em entender e em explicar o mundo que o cerca. Também procura, sempre que possível, aplicar os conhecimentos já consolidados e acumulados pelas gerações anteriores para construir equipamentos, dispositivos e máquinas com o objetivo de facilitar a realização de tarefas cotidianas. Tipo você aí, estudando na internet, danado(a).


As observações dos movimentos dos astros foram ponto de partida para medir o tempo. O observatório mais antigo das Américas, foi construído entre 200 e 300 a.C., em Chankillo, no Peru. Entre o fim do século XX e o início do século XXI, essas observações ganharam espaço com os telescópios Hubble (foto), Kepler e diversos satélites espaciais de pesquisa.

Telescópio espacial Hubble. (HST)

O conhecimento total acumulado pela humanidade ao longo do tempo comumente é chamado de Ciências.

A Física, uma das muitas áreas das Ciências e a mais bela de todas elas, é subdividida em diferentes ramos, são eles: Mecânica, Física térmica, Óptica geométrica, Ondas, Eletricidade e magnetismo. Temos também a Física moderna.

Mecânica é a área da Física que estuda os movimentos, investigando o que os provoca e como eles se alteram com o passar do tempo.

Física térmica é a área da Física que estuda os fenômenos e conceitos relacionados com a energia térmica, entre os quais a temperatura, o calor e a transmissão e aproveitamento desse calor nas máquinas.

Óptica geométrica é a área da Física que estuda a propagação de energia através da luz e os fenômenos luminosos a ela relacionados, alguns dos quais nos são familiares, por exemplo, os espelhos, lupas, lentes e vários outros instrumentos ópticos.

Ondas é a área da Física que estuda a propagação de energia através de movimentos vibratórios periódicos. É aqui que são estudadas as propriedades do som, da luz e dos raios X.

Eletricidade e magnetismo é a área da Física que estuda uma propriedade da matéria, a carga elétrica, dos fenômenos a ela relacionados e também de sua utilização em equipamentos e na geração de energia. As baterias, pilhas, eletrodomésticos, por exemplo, como é que o chuveiro esquenta a água tão rapidamente? As propriedades elétricas e térmicas da Física explicam isso.

Física moderna é a área da Física que trata dos conhecimentos mais atuais obtidos pelo homem, o fim do século XIX e o início do século XX assistiram ao nascimento de uma nova era na Física. As contribuições de Albert Einstein, Niels Bohr e Max Planck originaram o que passou a ser conhecido como Física Moderna, área que hoje tem presença em muitas aplicações práticas, dos computadores pessoais aos telefones celulares e televisores de LED, LCD e de plasma.

                                                                           Próxima aula >>


*Texto com base no livro Vereda Digital da editora Moderna.